Vingadores: Guerra Infinita

O que dizer? Este é simplesmente o filme mais esperado desde o início do Universo Cinematográfico Marvel (UCM) há dez anos, e corresponde a tudo que se esperava e mais, numa escala de acontecimentos sem precedentes, trazendo finalmente o confronto entre os super-heróis e Thanos, em sua busca pelo poder absoluto sobre o universo, através da posse das Joias do Infinito.

Para quem ainda não sabe, as Joias do Infinito são pedras essenciais derivadas do big bang e que possuem, cada uma, a capacidade de emanar poderes centrais do universo, como a alteração da realidade, a manipulação do tempo e a influência das mentes. As joias, integradas, garantem ao seu detentor um reinado irrestrito com um simples estalar de dedos.


Antes de falar sobre alguns aspectos do filme, saiba: nada será como antes, nada…não há como saber onde as mentes criativas da Marvel podem chegar, e só temos a agradecer por essa experiência monumental daquele que é, sem dúvida, o maior filme de super-heróis da história do cinema, e que, talvez, esteja próximo à densidade da trilogia do Cavaleiro das Trevas, do diretor Christopher Nolan (ainda minha obra favorita! Sou DC, mas dessa vez a Marvel chegou perto).

Desde o começo já é estabelecido o tom sombrio e angustiante da obra, em que entram em cena os novos oponentes em ação, em uma força e capacidade de destruição superiores a quaisquer outros adversários apresentados anteriormente. É o início de todo o apocalipse, deste que é o filme mais assustador, impactante e quebrador de regras desde o início do Universo Cinematográfico Marvel.

Já no primeiro ato do filme, com a chegada da Ordem Negra à Terra, tudo ocorre rapidamente, sem muito espaço para apresentar os personagens, afinal todas as peças foram colocadas nos filmes anteriores e, neste, é somente dada a sequência a um fluxo natural. Portanto, a velocidade logo de início não é algo que incomoda, pelo contrário, auxilia a penetrarmos no mundo de trevas trazido pela Ordem Negra. Esse filme é de fato o ápice de um ambicioso projeto, no qual cada parte ao longo do caminho contribuiu para a construção desse momento.

A maneira escolhida para desenvolver o impressionante elenco de personagens na telona foi dividi-los em núcleos e dar a cada um deles um arco próprio, todos rumo a um mesmo objetivo: deter Thanos. Isso é feito de uma maneira inteligente e, apesar da grande quantidade de eventos e personagens, o roteiro tem bastante fluidez e há um encadeamento natural das cenas e dos acontecimentos, deixando muito claro tudo o que está acontecendo. Os efeitos visuais estão entre os melhores dentre todos os filmes da Marvel, e a demonstração da variedade de poderes do Dr. Estranho é um exemplo disso, um deleite para nossos sentidos! Uma explosão magnífica de imagens, cores e formas.

Confesso que me surpreendi positivamente com o tempo dedicado a explorar os princípios de Thanos em sua cruzada, fazendo dele um vilão excepcionalmente bem desenvolvido, o que frequentemente foi um ponto fraco do UCM. No meio dessa insanidade, é impossível ficar indiferente ao vilão que, ao longo da trama, prova ser psicologicamente muito mais complexo que em uma percepção inicial pré filme. Sim, ele é cruel, mas também capaz de refletir, ponderar e sofrer com suas próprias decisões.


A atuação de cada herói é presente, cada um tem seu tempo para mostrar seu valor, o que é um feito monumental para um filme com tantos personagens. A nobreza e o espírito de resistência do trio Homem de Ferro, Capitão América e Thor são emocionantes, em que os vemos demonstrar serem fortes e honrados como nunca, levando os fãs ao delírio na sessão de pré-estreia.



E o Homem Aranha? Neste filme, ele foi alçado ao posto dos grandes neste universo cinematográfico. A extrema versatilidade, criatividade e a capacidade de colaboração com cada membro da equipe por Peter Parker são um destaque, e este personagem com certeza rendeu grandes momentos.

O uso do humor, sempre um ponto de polêmica, dessa vez funciona muito bem, sendo inserido de forma natural no filme e auxiliando a criar conexões entre os personagens mais distintos e distantes até a trajetória atual do Universo Marvel.

Como pontos negativos, destaco algumas resoluções prematuras logo ao início do filme, na primeira cena, que não me pareceram bem elaboradas por não refletirem bem as reações e atitudes comuns de um certo personagem em situações similares, tornando o resultado pouco crível. E também a atuação morna de Hulk, que pode decepcionar muitos fãs e deixar a nítida impressão de que faltou uma força maior e a explosão necessária para o momento tão crítico vivido pelo universo. Porém, esses pontos em nada conseguem interferir no resultado final de excelência da obra.

Em resumo, esse é um filme que não te deixa respirar, que incomoda ininterruptamente e choca ao final. Será impossível escapar da sensação de extrema angústia das batalhas, das provações e das consequências para todo o universo. Neste filme, todos serão testados de forma única e estarão perto da morte como jamais estiveram.

Até certo momento da minha vida, eu acreditava que nunca um filme de super-heróis conseguiria me fazer chorar, e o resultado nesse Vingadores foi uma dor absurda, lágrimas, a descrença no que havia acabado de assistir. Aquilo tinha acontecido mesmo? Sim, tinha, e um novo passo foi dado na evolução desse Universo, cujos desdobramentos só podem ser nada menos que magníficos. 

Ouso dizer que esta é uma obra prima, um triunfo da arte, da capacidade de deslumbrar e de colar em nossa mente imagens icônicas e, sim, infinitas a cada olhar.



4 comentários:

  1. O Que Tem Na Nossa Estante27 de abril de 2018 23:04

    Oi Fabio, tudo bem? Eu não chorei, mesmo pq acredito que no próximo filme tudo muda rs mas fiquei bastante tensa em alguns momentos e gostei que eles exploraram bastante o vilão, que é bem complexo e cheio de sentimentos <3 Agora é controlar a ansiedade para o próximo.

    BJs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mi, tudo bem? Obrigado pelo seu comentário!

      Eu também acredito que agora a busca seja por reverter os acontecimentos, embora eu realmente tenha sido pego de surpresa e me emocionado bastante na pré-estreia, é um filme ousado! Após uma semana, já posso dizer que estou mais calmo...rs. E, como você, estou muito ansioso pelo novo passo a ser dado pela Marvel!

      Um beijo,

      Fabio.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.