25ª Bienal do Livro de São Paulo 2018

A 25ª Bienal do Livro acabou no último domingo, 12, e já estamos com saudades! Foram dez dias de diversas atividades, palestras, encontros, autógrafos, promoções, garimpo e muita compra de livros. Conseguimos participar de várias atrações e agora trazemos um pouquinho da nossa experiência nesses dias para vocês. ♥

VIVAAAAA!!! \o/
A Bienal do Livro é um dos eventos mais aguardados por mim, há cada dois anos eu separo alguns dias para ir prestigiar essa grande indústria literária, conhecer novos autores, passear pelos estandes e babar nos zilhões de livros que quero comprar. Confesso que depois do ELF tudo ficou ainda mais intenso, pois além de tudo isso, agora consigo ver pessoas que conheci através desse projeto, amigos queridos que se tornaram parças das peregrinações literárias. 

Aquelas pessoas que fazem o evento ainda mais mágico! ♥
Faltou a Mah (@somentelivros) e a Jess (@saymybook)
A Bienal tem o poder de se reinventar, trazer novidades, trabalhar com o livro e com o ebook, com os clássicos e os contemporâneos, com o “virtual” e o “real”, com as palavras faladas e escritas e este ano a viagem ultrapassou as páginas para visitarmos outra cultura e países, ultrapassando barreiras culturais e linguísticas. Prova disso era o incrível estande da Sharjah Book Authority trazendo muita cultura árabe, apresentando mais de 40 títulos traduzidos para o português e mostrando todas as belezas deste mundo dos Emirados que é tão diferente do nosso e também tão rico.

Equipe ELF tietando os autores! ♥
O Espaço do Saber Microsoft contou com diversas palestras e tive a honra de prestigiar uma excelente: “Quem são os responsáveis pela formação dos leitores?” juntamente com o lançamento do Itinerário da Leitura, minha amiga Bel Mayer fez uma fala incrível, cheia de reflexões e inspiradora. A Microsoft também nos apresentou como a tecnologia pode ajudar na educação e tinha até o escape room “A professora sumiu!”, no qual tínhamos que interagir com uma inteligência virtual para descobrir a localização da professorinha desaparecida. Abaixo, fachada do espaço do Museu da Língua Portuguesa e sala de escape room da Microsoft:


O Espaço Tenda das Mil Fábulas e do Cordel e Repente também traziam apresentações incríveis, o primeiro de contação de histórias nos fazia mergulhar nas Mil e Uma Noites com um estande cheio de almofadas e véus. O segundo, trazendo as rimas faladas e escritas nos apresentava um pouquinho dos repentistas e dos escritores de cordel, a nossa cultura sendo valorizada e contada aos pequenos e não-tão-pequenos! 


Os estandes estavam incríveis e um show à parte, apesar de achar que alguns estavam ligeiramente menores comparados aos de 2016. A Melhoramentos reproduziu a fachada tombada de seu prédio aqui em São Paulo e havia vários personagens do Ziraldo espalhados pelo estande, a Intrínseca ARRASOU com o túnel de livros, a Pólen nos fez lembrar das filas da CCXP com seu espaço dedicado à magia dos livros e a Amazon inovou na parede de lambe-lambes e com a programação para autores independentes. Para quem estava com saudades do Museu da Língua Portuguesa havia uma exposição itinerante que trazia os países lusófonos com atividades para mostrar quão vasta é a nossa língua portuguesa!


A grande maioria das editoras estavam com descontos arrasadores e em algumas havia uma prateleira das promoções com livros por R$ 5 - 9/10! Aliás, destaque aos váriooos estandes que vendiam livros de R$ 10 a 20, eu me diverti neles e muitooos amigos também! Engana-se quem pensou que só tinha livro encalhado a esses preços, títulos muito bons estavam no precinho que a gente gosta! No último fim de semana e, principalmente, no domingo a xepa rolou solta! Destaque especial para a Editora Madras, editora especializada em espiritualismo/magia/ocultismo, que deu descontos de 70-80% EM TODO o estande. A Americanas também estava com descontos excelentes!! 


Eu ainda acho que a Bienal deveria ser um grande saldão de livros, desde o primeiro dia, com descontos arrasadores que faz o visitante surtar na primeira parada. Sabemos os custos de um evento deste porte, mas sabemos também que o preço é um grande limitador ao acesso aos livros, ainda mais num momento de crise que o país vive. Contudo, acredito que essa bienal foi uma grata surpresa no quesito preços e todo mundo deve ter saído de lá com pelo menos um livrinho! ♥


Quanto a estrutura, os corredores espaçosos e a distribuição dos estantes facilitaram a movimentação, algumas ruas ficaram com gargalos de congestionamento, mas nada que pegar uma alternativa não resolvesse. De alguma forma eu senti falta das letras grandonas para me localizar, mas nada que atrapalhasse muito. Com a intensa visitação do final de semana, os banheiros ficaram relativamente bem limpos e os bebedores estavam funcionando.


A praça de alimentação foi um problema, ela estava dividida em dois espaços, mas mesmo assim nas horas de rush não suportou o grande fluxo de pessoas, principalmente nos fins de semana. A cobertura dos celulares também deixou a desejar, a concentração de pessoas também atrapalhou os sinais de 3g/4g dificultando muuuuiiitoo  as maquininhas nos food trucks nas praças de alimentação e também a comunicação dos visitantes (não postamos nada ao vivo justamente por isso).


A 25ª Bienal foi incrível, conseguimos aproveitar ao máximo as atividades disponíveis, os estantes e desconto. A cada que ano que passa vemos como o evento vai se reinventando  e mostrando a força do mercado editorial, dos autores e leitores. E para nós, que temos um grande carinho/admiração/respeito por esse setor, terminamos com um gostinho de quero mais e com uma felicidade imensa pelo momentos vividos! Agora só nos resta esperar... 


Até 2020, Bienal

2 comentários:

  1. Oi, Denise!
    A bienal do livro SP ou RJ ainda é um sonho para mim. Eu fu na bienal aqui de Pernambuco há uns anos, e também senti o caos da praça de alimentação no horário de fluxo, e também na comic con, mesma coisa. Esses grandes eventos tinham que ter uma melhor estrutura nesse aspecto, pois perder quase uma hora esperando a comida, ninguém merece.
    Adorei o post, foi bastante completo sobre o evento <3
    bjs
    renatavarelaescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise Rodrigues16 de agosto de 2018 12:22

      Oie Renata!

      Ah se programe e venha, também sou louca para conhecer a Bienal do Rio! Quem sabe um dia! *-*
      Siimm, verdade, eles precisam pensar melhor no projeto para evitar que esses gargalos aconteçam e tornar a experiência um tanto melhor! Ngm merece mesmo, tanto coisa pra ver e a gnt na fila para comer, um desperdício!

      Muito obrigada! ♥
      Bjs

      Excluir

Tecnologia do Blogger.